Entende-se a monitoria como sendo uma estratégia de apoio ao ensino, em que estudantes, de anos anteriores, colaboram no processo de apropriação do conhecimento de outros discentes (FRISON; MORAES, 2010). Assim, o monitor é um agente a mais com quem os outros estudantes podem tirar suas dúvidas e praticar, e com isso melhorar o seu aprendizado, suas habilidades e suas competências (NUNES, 2007).

O papel do monitor torna-se extremamente Entende-se a monitoria como sendo uma estratégia de apoio ao ensino, em que estudantes, de anos anteriores, colaboram no processo de apropriação do conhecimento de outros discentes (FRISON; MORAES, 2010). Assim, o monitor é um agente a mais com quem os outros estudantes podem tirar suas dúvidas e praticar, e com isso melhorar o seu aprendizado, suas habilidades e suas competências (NUNES, 2007). O papel do monitor torna-se extremamente relevante, pois na monitoria tem-se alguns alunos auxiliando na formação de outros, pois o monitor é um aluno que participa da cultura dos mesmos, diferentemente do que acontece com a figura do professor.

Nessa perspectiva, a interação do aluno com o aluno-monitor ocasiona um ganho para ambas partes no aprendizado de determinada disciplina, visto que, durante as monitorias deve haver uma troca de informações. O aluno precisa do conhecimento adquirido do aluno-monitor para solucionar uma dúvida ou adquirir determinada competência, e este, por sua vez, precisa do conhecimento para ajudar a solucionar a inquietação apresentada pelo aluno (NUNES, 2007).

Objetiva-se despertar o interesse do aluno pela docência, mediante, o desempenho de atividades ligadas ao ensino, possibilitando a experiência da vida acadêmica, por meio da participação em diversas funções da organização e desenvolvimento das disciplinas dos cursos, além de possibilitar a apropriação de habilidades em atividades didáticas, conforme as normas estabelecidas neste manual.